Na minha experiência com empreendedores e empresários com foco em negócios digitais, construída desde 2006, uma das maiores dificuldades é imaginar vida além do produto.

Claro, essa dificuldade não é privilégio só dos empreendedores digitais, o fracasso de pequenos empresários está ligado a, entre muitas outras, uma dificuldade muito importante: pensar somente no produto.

Produto. Produto. Produto.

Os inovadores e empresários entendem, compreendem em profundidade, cada componente do Modelo de Negócio para fazer com que sua ideia se torne realidade.

Como sempre, vou comentar a minha experiência. Durante anos, muitos anos, eu só pensei nos serviços que eu prestava. Meu foco como empreendedor (não como empresário) era completamente operacional e direcionado à excelência do serviço prestado.

Passava meu dia a dia literalmente fazendo zoom in. Se pensar na tela de um smartphone… vivia fazendo o movimento de separar a ponta dos dedos para extremidades opostas.

Um dia eu percebi que meu valor agregado já não fazia mais diferença. Alguma coisa tinha mudado no contexto do meu negócio e, por estar focado somente no produto, eu não havia percebido que estava começando a ser jogado para fora do mercado.

Quando amadureci, comecei a entender e ver a grande figura, a big picture. Esse zoom out não foi resultado de uma decisão, mas sim de uma necessidade. Se eu não subisse em cima da cadeira para olhar o que se passava em volta da Babel-Team, minha empresa seria apenas mais uma nas estatísticas dos pequenos negócios que fracassam.

A Big Picture

O que seria isso de big picture que só vemos quando fazemos zoom out?

Aí encontramos visão (valores, propósito e missão), estratégia, entorno competitivo, contexto das regulamentações jurídicas, evolução do mercado, entre outros.

Mas, além disso tudo, quando me tornei empresário, tive que dar atenção também a uma imagem extremamente detalhada dos Trabalhos, Dores e Ganhos dos meus clientes.

Ou seja, para não ser parte da fatal estatística de empresas que quebram, é necessário fazer, constantemente, zoom in (detalhes) e zoom out (o grande quadro).

E aqui vai, não um segredo da minha empresa, mas dois conceitos que fizeram toda a diferença para ela:  Modelo de Negócio Canvas por um lado e Visão por outro.

No longo prazo, a perspectiva pode ser representada pelo cerne do Ciclo de Vida do Negócio, ou seja, ver o negócio mais além.

Modelo de Negócio Canvas

As Fases

01Fase de Investigação: Protótipo e Teste

Sempre começa com uma ideia, e se faz um protótipo, se testa e se valida. Esta é a fase de investigação.

02Implementação

Uma vez que se consegue evidenciar que a ideia vai funcionar, você começa a implementar e escalar seu negócio.

Voltando a Babel-Team, isso aconteceu entre 2015 e 2016, quando passamos de 30 clientes para 200, 400 e 700. Essa foi a fase de Execução.

Neste ponto começa o desenvolvimento do Modelo de Negócio. Com o passar do tempo, e isso pode querer dizer muito tempo ou pouco tempo – depende de vários fatores – será necessário rejuvenescer, reinventar completamente o negócio, para ser possível criar novas ideias.

03Habilidades necessárias

No Ciclo de Vida do Negócio, é importante entender quais são as diferentes habilidades (skills) necessárias nas diferentes fases.

Quando colocamos o chapéu do Inovador, precisamos observar frequentemente o grande quadro e os detalhes chatos, às vezes sórdidos, durante a fase de Investigação. É assim que se consegue entender a big picture!

Na fase de Implementação e Gestão, é necessário focar nas áreas específicas do negócio.

No meu caso: Comercialização, Marketing, Finanças e Prestação do Serviço.

Durante a fase de Reinvenção, quando o negócio precisa ser reinventado e rejuvenescido, a visão, o zoom out, volta.

Light_iconUm detalhe: cada vez que a fase de Reinvenção volta, seu prazo fica mais e mais curto.

 

Quer saber mais sobre nosso Workshop?

 

Este conteúdo foi basaedo em Alexander Osterwalder em seu post “The Business Lifecycle”

 
Jorge Aldrovandi
 
O Autor
Jorge Aldrovandi – CEO

É pioneiro em serviços de marketing via Internet, no Uruguai, seu país natal, e no Brasil, onde vive desde 2002. Trabalha com automação desde 2010. Responsável pelo planejamento estratégico e modelo de negócios de clientes no Brasil, na América Latina, Portugal e Espanha.

Sendo neto de italianos, desde pequeno Jorge gosta muito de estabelecer vínculos e por isso, boa parte de seus clientes termina sendo também parceiros e amigos.

Quando é perguntado “Como que você desenvolveu uma rede tão grande de parceiros?”, sempre responde:”Tomando um vinho e comendo boas pizzas.”.

Os valores da Babel-Team, são os valores do Jorge: Ética sempre, respeito acima de tudo e crescimento constante! ”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*